Se cobrir, vira circo – Parte 3

1

Anteriormente em Então Tá

 

“- Então liga pro Mathias! Vou apresentar A mulher ideal pra ele!”

“- Quem é a garota dessa vez?”

“- A TAMARA, MINHA EX-NAMORADA? VOCÊ PIROU?”

“- E como você sabe que ela vai querer conhecer ele?

- Eu já liguei pra ela. Ela vem tomar um vinho aqui amanhã.

- O QUÊ?”

 

Sala. Interior. Noite.

Zé está andando de um lado para o outro, com um copo de uísque na mão.

Lúcia está no sofá observando ele.

 

- Eu ainda não consigo acreditar que você ligou pra Tamara.

- Não faz drama, vai.

- Mexeu nas minhas coisas, pegou o número dela e ligou sem falar comigo antes.

- Blá blá blá.

- Eu não mexo na sua bolsa ou em qualquer coisa sua sem te avisar.

- Nhenhenhén, nhenhenhén.

- Comé que é?

- E por que você ainda tinha o telefone dela guardado, hein CARLUTCHO?

- Ai meu Deus. Ai meu Deus. Vocês conversaram. E pior, conversaram sobre mim. Não posso acreditar.

Zé vira o copo de uísque.

- Calma. Não falamos só de você.

- Eu não quero saber. Não quero saber.

- Falamos também sobre o término de vocês. Sobre como vocês se davam bem na cama.

- O QUÊ?

- Mentira. Só sobre o término de vocês.

Zé suspira.

- E mais uma coisinha ou outra.

- Desembucha logo. Não enrola.

- Agora você quer saber?

- FALA LOGO, MULHER.

- Calma, calma. Ela falou sobre como acha você maduro. Adulto. Assim sabe, preparado para a vida.

- Mentira.

- Sério.

- A Tamara?

- É.

- Não pode ser. Você deve ter falado com outra Tamara.

-Tem alguma outra Tamara neste planeta que te chama de Lulutcho?

- …

- Foi o que eu pensei.

- Mas ela nunca me achou maduro. Tem certeza?

- Palavras dela.

- Muito estranho. O que ela falou do nosso término?

- Que ficou arrasada, mas que ninguém nunca tinha terminado com ela de maneira tão elegante, bem resolvida,

- Bem resolvida?

- É.

- Não é a mesma Tamara, Lúcia. Certeza. Você deve ter ligado para outra

Tamara que por coincidência namorou um outro Zé Carlos.

- Que por acaso também era chamado de Carlutcho e Lulutcho?

- São apelidos normais hoje em dia, Lúcia. Que há de se fazer?

- Bem, de qualquer forma amanhã a gente tira a dúvida quando ela chegar aqui.

- Você vai desconvidá-la. Lúcia.

- Jamais.

- Ah, vai sim.

- Ah, não vou não. Ainda mais morando junto com um homem tão maduro, adulto, elegante e bem resolvido como você.

- Eu não sou isso, Lúcia.

- Eu sei. Mas ela não vem só por você. Tem o Mathias também, lembra? O mundo não gira em torno desse seu umbigo rubro-negro. Que aliás, tá mais negro do que rubro. Você tomou banho hoje?

Zé despenca na poltrona. O uísque voa do copo. Os olhos fixos no chão.

- O Mathias… eu tinha me esquecido do Mathias… meu Deus, Lúcia…por que você está fazendo isso comigo?

- Ora, só to tentando unir seu amigo com uma boa alma. Até que eu gostei bastante dela. Para uma atriz, claro.

- Para uma atriz?

- Ah, você sabe muito bem como são as atrizes.

- Não, não sei. Como elas são?

- Falsas.

- Hein?

- Falsas. Dissimuladas. Nunca dá pra saber se tão dizendo a verdade.

- Lúcia, esse é o trabalho delas. Elas atuam. Não tão mentindo.

- Já ta defendendo a canalha.

- Lúcia, não to defendendo nin

- Canalha. É isso que ela é. Mentirosa compulsiva. Enganadora patológica. Onde já se viu dizer que você é um homem maduro, adulto e bem resolvido?

- Talvez você tenha entendido errado…

- Vai continuar defendendo a ratazana?

- Lúcia, o que mais vocês falaram?

- Mais nada.

- Lúcia.

- Nada não.

- Fala Lúcia.

- Vai ficar do lado dela?

- Não, Lúcia. Não vou.

- Pode ficar se quiser. Não tem problema.

- Não vou ficar do lado de ninguém, Lú.

- Ah não? Então não vai ficar do meu lado? Então pode dormir na cozinha, porque nem nesse sofá você deita, seu cachorro bandido, pode sair daq

- Não, Lúcia querida, eu to do seu lado, foi só jeito de falar, é claro que eu to do seu lado, imagina, eu só me expressei errado, não poderia estar em outro lugar a não ser do seu lado, eu me sinto praticamente um gêmeo siamês seu, entende? Do seu lado pra sempre.

- O que ela é então?

- Uma víbora, traiçoeira e escorregadia.

- Só?

- Maquiavélica, ardilosa e pelancuda.

- E o que mais?

- Mal amada, fedorenta e Corinthiana.

- Que nojoooooooooooooooooooooooo.

- Pois é.

- Como você conseguia, Zé? Fala sério.

- Não começa que seu telhado é de vidro.

- Hmpf. Não desvia do assunto.

- Sobre o biba que você namorou você não fala, né?

- O Rodolfo não era biba nenhuma.

- Ah, claro. Quando vocês tavam juntos ele torcia só pros juniores do São Paulo. Foi quando vocês terminaram que ele se profissionalizou.

- Não quer saber sobre mais o que a gente conversou?

- Fala.

- Nada demais. Apenas amenidades.

- Amenidades como?

- Falamos sobre a violência urbana e o medo constante nesta sociedade sufocante, sobre relacionamentos, rótulos, desejos, frustrações e anões de circo.

- VOCÊ FALOU SOBRE O ANÃO DE CIRCO?????

- Eu não falei sobre O anão de circo. Conversamos sobre anões de uma maneira geral.

- Fudeu.

- Que nada, ela levou numa boa. Nem se abalou. Hoje em dia já deve tá lidando com coisas muito mais bizarras.

Zé fica olhando para o fundo do copo vazio.

- Agora só falta você se mexer. Vai, liga aí pro Mathias.

- …

- Não vai ligar?

- …

- Tudo bem. Eu ligo.

Zé continua estático.

- Cadê o número dele? To ligando hein.

- Lúcia, não podemos parar com isso enquanto é tempo?

- Tarde demais, Zé. Liga você ou ligo eu. Preferia que fosse você já que ele é teu amigo, mas se você vai dificultar as coisas, você me deixa sem escolha.

- Por favor.

- Com Mathias ou sem Mathias ela estará aqui amanhã. O que você prefere?

- Uma morte rápida e indolor?

- Isso eu providencio depois.

- Jura?

- Ela até se animou dele ser bem baixinho.

- Ele não é baixinho.

- Não?

- Não.

- Bem, eu me enganei então.

- Como você pode se enganar? Ele tem quase 1,90.

- Vai ligar ou não vai?

- Lúcia, são mais de duas da manhã. Eu ligo amanhã.

- Agora.

- Eu não falo com ele desde aquele desastre aqui em casa. Não posso ligar agora assim.

Lúcia pega o celular do Zé.

- To ligando.

- Tá bem, tá bem, tá bem. Me dá aqui que eu ligo.

Continua

One thought on “Se cobrir, vira circo – Parte 3

  1. Eliane on

    Muito bom – menos a parte da corintiana (sem h! hehe)
    Beijos!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>