Se cobrir, vira circo

4

Quarto. Interior. Noite.

Zé e Lúcia estão na cama se preparando para dormir.

 

- Boa noite, Lú. Beijo.

Zé apaga a luz.

Passam-se 10 segundos.

- Zéééé.

- Que foi?

- Já dormiu?

- Quase.

- Zé, você dorme muito rápido.

- O que foi, Lúcia?

- Eu não to conseguindo dormir.

- To vendo.

- Conversa comigo, Zé.

Zé acende a luz da cabeceira.

- O que aconteceu?

- Eu to me sentindo culpada.

- Por quê?

- Por causa do Mathias.

- Que que tem o Mathias?

- Ele saiu daqui sem falar nada. Nem deu tchau.

- Lúcia, isso tem mais de três meses.

- Eu to me sentindo mal, Zé. De verdade.

- E o que você queria, Lúcia? Que ele te desse um beijinho e agradecesse depois de tudo?

- Para, Zé. Assim eu fico mais culpada. Eu só queria o bem dele.

- Lúcia, para um pouco e presta atenção no que você fez. Primeiro, você ofereceu pra ele uma mulher que pediu quarteirão com queijo no dia do Mc Dia Feliz. Não satisfeita, quis empurrar pra ele uma baleia de proporções jabulânicas, uma amiga de peito peludo e a Valderrama. Você tem certeza que queria o bem dele?

- Era Vandermira.

- Ah bom. Agora sim.

- E a Luisa não tem peito peludo.

- Vai insistir nessa história?

- Eu preciso me redimir.

- Deixa quieto, Lúcia.

- De jeito nenhum. Eu tenho que tirar essa péssima impressão que ele ficou de mim e das minhas amigas.

- Lúcia, para com isso e vai dormir. Você só vai piorar as coisas.

- Por que você acha que tudo que eu faço sai errado?

- Por que não pergunta isso pro Mathias?

- …

Lúcia começa a chorar.

- Ai meu Deus. Ô Lú, não fica assim, não precisa chorar.

- Eu to aqui …desabafando com você ….querendo conversar …. e você só me joga pra baixo… não é justo …. eu sei que eu errei com o seu amigo, tá? …. to morrendo de vergonha ….to querendo  consertar …. mas você não me dá  a menor força….

- Ô meu amor, desculpa, vem cá. Me perdoa. Eu que sou um ogro insensível. Devia ser obrigado a usar o guarda roupa do Dunga por um mês para aprender a ser mais sensível. Eu vou te apoiar em tudo que você fizer.

- Jura?

- Juro.

- Pela sua mãe mortinha ardendo nos cinco círculos do Inferno?

- Juro.

- Então fala.

- Pela minha mãe mortinha ardendo nos cinco círculos do Inferno.

- Por um jejum de 30 anos de títulos para o Flamengo?

- Ô Lúcia…, eu já jurei pela minha mãe. Chega, tá?

- Então liga pro Mathias! Vou apresentar A mulher ideal pra ele!

- Não Lúcia, isso não. Chega com essa história de apresentar amiga pra ele.

- Essa eu guardei na manga. Não tem erro.

- Lúcia, não fala essa frase.

- Que eu guardei na manga?

- Não. Que não tem erro.

- Por quê?

- É só falar que não tem erro que o erro aparece.

- Deixa de ser viadinho e liga logo pro Mathias.

- Quem é a garota dessa vez?

- Liga primeiro.

- Não senhora.

- Liga.

- Quem é?

- Você vai boicotar.

- Eu não falei que ia te apoiar em tudo?

- E já não tá apoiando em nada.

- Se não disser quem é eu não ligo.

- E se eu disser?

- Aumentam consideravelmente as chances de desencalhar sua amiga.

Lúcia respira fundo. Senta na cama. Ajeita o cabelo atrás da orelha, abraça o travesseiro e fecha os olhos.

- Tá bom. É a Tamara.

- A TAMARA?

- Não precisa gritar.

- A MINHA TAMARA?

- Faz tempo que você não se refere a ela dessa maneira.

- A TAMARA, MINHA EX-NAMORADA? VOCÊ PIROU?

- Zé, se você e ela não deram certo não quer dizer que ela não vai dar certo com mais ninguém.

- Lúcia, isso não tem o menor cabimento.

- Por que não?

- Lúcia, pergunta pra qualquer um sobre uma ideia dessas. É loucura total.

- Não me chama de maluca.

- Eu não vou apresentar uma ex-namorada para o meu amigo. Isso não existe.

- Por que não? Você ainda sente alguma coisa por ela?

- Não vem que não tem.

- Sente ou não sente?

- Claro que não, deixa de ser ridícula.

- Ela não é bonita?

- Lúcia, não começa.

- Não é bonita?

- É.

- Não é interessante?

- Não faz isso.

- Não sei porque você tá tão defensivo. Não foi você quem terminou o namoro? Não era ela quem ligava desesperada pra você voltar? Você não tava seguro das suas decisões?

- Foooooi, Lúcia. Foooooi.

- O Mathias não queria uma mulher bonita, interessante, que adora transar com alguém assistindo?

- Tá vendo? Pra que que eu conto as coisas pra você?

- Ué, não existe mulher perfeita, Zé. Tem que ter algum defeito.

- Você tinha prometido que não ia mais tocar nesse assunto.

- Que isso, Zé. Voyerismo é super normal hoje em dia. É até algo bem leve na verdade. Eu não topo, mas não condeno quem tope.

- Vamos parar?

- Assim, eu ainda não consigo acreditar que você topasse aquele lance com anão de circo mas

- CHEGA.

- Não precisa ficar nervoso. Anão também é gente. É metade, mas é gente.

- EU NÃO TO NERVOSO.

- Nem precisa se envergonhar.

- Eu não to envergonhado.

- Então liga pra ele.

- Fora de cogitação.

- Você ainda pensa nela, não é?

- Claro que não, Lúcia.

- Fala a verdade.

- To falando.

- E no anão?

- …

- Hein?

- Não vai parar?

- Ele só ficou olhando mesmo, Zé? Ele não participou de nada, né?

- Eu não falo mais sobre isso.

- Então vamos colocar uma pedra nesse assunto. Liga pro Mathias.

- E como você sabe que ela vai querer conhecer ele?

- Sabendo.

- Como, Lúcia?

- As mulheres sabem essas coisas, Zé. É uma coisa feminina, uma sensação. Não dá pra explicar.

- Como?

- Eu já liguei pra ela. Ela vem tomar um vinho aqui amanhã.

- O QUÊ?

(Continua)

Diálogos do próximo capitulo:

- Alô, poderia falar com a Tamara?

- É ela. Quem fala?

- Oi, Tamara. Aqui é a Maria Lúcia. Você não me conhece mas eu já ouvi tanto sobre você que me sinto como se já te conhecesse desde sempre. Tá com tempo?

4 thoughts on “Se cobrir, vira circo

  1. Karise on

    Ahahahahahahahahhaahaha
    Muito BOaaaaaa!!
    “Não precisa ficar nervoso. Anão também é gente. É metade, mas é gente”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>